31 de jan de 2013

De Frente com o Ateu: O Resumo da Ópera

E aí, amigos leitores, como tem ido a vida? Divertiram-se com este e outros blogs?

Bom, hoje, o post é curto em simples, pois é o post de encerramento da minha segunda série de posts completa (a primeira foi a do fim de 2011), os sobre Religião. Basicamente, vou listar aqui os posts que fiz em ordem e resumir, em poucas linhas, seu conteúdo. Aqui vai a lista:

Contestação e Merchandising, post em que apresentei a série e os temas que viria a debater depois.
Ateísmo (x Teísmo x Antiteísmo), um apanhado bem breve sobre minhas concepções dos limites entre o ateu e o antiteísta e do porquê de o ateísmo não ser religião nem ideologia.
Agnosticismo, post em que, seguindo uma definição para os termos, expliquei o que era agnosticismo e porque essa corrente não entra em conflito com o ateísmo.
Laicização, Laicismo, Laicidade, Secularização, um texto que serviu para demonstrar que as diferenças entre dois vocábulos ditos sinônimos, "laico" e "secular", ultrapassa os campos da "mera" semântica.
Adendo, ou, melhor dizendo, a explicação de porque a religião não pode acabar, e, consequentemente, porque o mundo ficaria pior sem a religião.
Religião e Caráter, usado para expor meu ponto de vista sobre o slogan da ATEA "Religião não define Caráter"
O Resumo da Ópera, post auto-explicativo (rs).

Como eu havia dito no primeiro post desta série, este post serviria para resumir a série e fazer o balanço geral. Assim sendo, eu diria que a experiência foi muito proveitosa, pois minhas pesquisas me levaram a uma maior compreensão do mundo. Além disso, mesmo que não tenham havido muitos comentários nesta série, o feedback foi muito intenso e o debate que eu quis propor aos meus leitores acabou sendo gerado de uma forma ou de outra.

Então, no geral, eu daria, entre 0 e 10, uma nota 8 para esta experiência, que pretendo repetir no futuro, mas com outros temas, claro. Inclusive, aproveitando a deixa, vou deixar aqui embaixo um espaço para as sugestões de assuntos para as próximas séries dadas pelos leitores.

Por fim, também quero um último feedback dos leitores. E então, amigos, o que acharam da série? Gostariam de ter visto mais pontos de vista sobre os temas que expus? Gostaram das referências que citei, ou acharam que faltou um pouco de referências mais sólidas academicamente falando?

Enfim, amigo leitor, dou-lhe a palavra e despeço-me mandando-lhe meu forte abraço e agradecendo-lhe por ter acompanhado esta série até o fim. Até mais.

7 comentários:

  1. Seu blog é bonito. Por mim somos novos amigos :)

    Day

    ResponderExcluir
  2. Oi! Vou arrumar tempo para ler esses artigos. O problema é que fico só no Ayan e no Barros. Mas vou dar um jeito de me viciar aqui também. Abração!

    Day

    ResponderExcluir
  3. Não se vicie, Day. Lembre-se de que ainda fala com um mero graduando em Letras, não com um Ayan, rs

    ResponderExcluir
  4. Nada! Aprecio sua inteligência e sinceridade, e acima de tudo o seu não rsdicalismo e sua educação e gentileza (rasgando seda hehe)

    Vim te mostrar, não se já sabe que a Inglaterra inaugurou a primeira igreja ateísta, com direito a contribuições, sacerdotes, etc. Chama-se "Assembleia de Domingo"

    Gostaria de saber sua opinião.

    http://www1.folha.uol.com.br/bbc/1226731-culto-alternativo-de-igreja-ateista-tem-rock-e-comedia.shtml

    Day

    ResponderExcluir
  5. Até que a igreja é bonita kkkk

    http://4.bp.blogspot.com/-XnXFgkIad58/URK2RE0-ODI/AAAAAAAAW6U/-ZRy4FbMfkA/s1600/church.jpg

    ResponderExcluir
  6. Não dá link... No Barros deu. Mas vale a pena dar uma olhada ;)

    ResponderExcluir
  7. Sobre a Igreja Ateísta, posso fazer a pergunta a você mesma, que vai saber minha opinião só por aí: Day, se você fosse religiosa e, por uma questão de rejeição de dogmas, quisesse deixar a religião, por que é que você, depois, criaria uma Igreja para dogmatizar a posição não-religiosa? Meio ilógico, não acha? rs

    ResponderExcluir