25 de dez de 2012

Espírito Natalino

Olá, amigos leitores. Como foi a ceia ontem?

Hoje, vou dar-lhes o meu presente de Natal, que será, na verdade, uma série de recomendações minhas para vocês, incluindo livros, entrevistas, músicas e outras coisas que me derem na telha.

Sem muita enrolação, vamos às minhas dicas para que o fim de ano de vocês seja legal e cheio de possibilidades de expandir seus horizontes. Primeiro, vou lhes recomendar os três livros que li (no caso, ainda estou lendo um, mas estou quase no fim) neste mês, que são o Ética, de Spinoza/ Espinosa, o Para Além do Bem e do Mal ou Prelúdio de uma filosofia do Futuro, de Nietzsche, e o Guia Politicamente Incorreto da Filosofia - Ensaio de Ironia, de Luiz Felipe Pondé.

Para não deixá-los totalmente ignorantes sobre o conteúdo dos livros, vou explicar um pouquinho da "história" deles. O primeiro, de Baruch Spinoza, que ainda estou terminando de ler, fala basicamente sobre algumas questões da nossa ética, como a existência de Deus, em que Spinoza acredita e sobre a qual argumenta, por meio de proposições e demonstrações (Spinoza era matemático, e na linguagem matemática é assim que funciona), com uma magistralidade que, mesmo sendo ateu, confesso, me deixou maravilhado.

Porém, essa não é a parte mais legal do livro. O livro, dividido em 5 partes cujos títulos não lembro agora, fica extremamente interessante na parte III, que é quando Spinoza fala sobre os sentimentos humanos, aos quais ele chama de afetos. Partindo apenas de "alegria" e "tristeza" (e de alguns outros pressupostos), Spinoza vai explicando um por um os vários sentimentos que temos em relação às outras pessoas ou ao mundo que nos cerca, indo desde a inveja até a comiseração (que seria o que nós chamamos de "dó", grosso modo).

Ainda assim, faço a ressalva, a quem for ler, de que o livro tem uma linguagem, ou melhor, uma forma de organizar as palavras, extremamente complicada, o que dificulta a leitura. Além disso, é preciso conhecer muito bem os conceitos científicos-matemáticos de "axioma", "postulado", "escólio", "corolário", "proposição" e "demonstração" para se situar e começar a compreender o que Spinoza fala. Ou seja, se o caro leitor quer um livro rápido, não é o de Spinoza que deve procurar. Agora, que a experiência é muito boa, é inegável.

O segundo livro que eu indiquei, o de Nietzsche, não é tão difícil de ler, mas também não é rápido. Quem conhece Nietzsche pela escola vai pensar que ele é um só velho antiteísta recalcado e virgem que fica falando besteiras em um livreco. Porém, o que Nietzsche faz ao longo do livro é uma crítica afiada aos valores da sociedade alemã e europeia de sua época, além de nos introduzir brevemente ao que ele chama de "moral dos senhores" e a outros de seus conceitos de filósofo. Alguns dizem, inclusive, que esse livro é uma peça-chave para entender outros dois importantes livros seus, A Genealogia da Moral (próximo em minha lista) e O Anticristo.

Falando em filósofos, aliás, eu diria que é exatamente esse o empecilho para quem quer ler o livro do Nietzsche, pois, ao contrário de Spinoza, que cita "apenas" Descartes ao longo das 200 páginas de seu livro, Nietzsche, em suas 200 páginas, cita, além de Espinosa e Descartes, nomes como Platão, Sócrates, Pascal, Santo Agostinho e um par de outros famosos filósofos. O problema é que, além desses nomes, o bigodudo de Rocken também fala sobre conceitos sobre os quais normalmente nada ouvimos falar na escola, o que torna pelo menos as três primeiras partes do seu livro (das nove no total) um pouco vagas para o leitor. Ou seja, o mesmo caso de Espinosa se aplica aqui: é uma leitura prazerosa, mas não rápida. O leitor pode até conseguir ler ambos os livros em um dia cada, mas o problema reside em entender os conceitos embutidos em ambos.

Esse problema, no entanto, não acontece no livro de Pondé. O livro do Pondé é fácil de ler, pois seu foco não é falar sobre a (genial) filosofia desse Pós-Doutor em Filosofia Moderna pela Universidade de Tel Aviv, mas sim provocar um grupo específico de leitores, aqueles a quem chamamos de "Politicamente Corretos". Com textos que vão desde Feminismo até Religião e de Aristocracia à Democracia,  a praga PC, como chama Pondé, é provocada a repensar seus conceitos desde a capa do livro, em que vemos juntos filósofos e intelectuais do calibre de Maquiavel, Darwin, Platão, Aristóteles e Hobbes, até a sua última página, com um Apêndice magistral sobre a nova vida da família brasileira.

Sobre esse livro, entretanto, vou contar mais detalhes (ou melhor, contar com mais detalhes) no próximo post, pois uma das discussões que Pondé empreende lá e que vou apresentar será essencial para que entendam o segundo post daquela minha série "animadíssima" sobre Religião, e depois farei um post chamado "Dialeticando com Luiz Felipe Pondé: O Retorno", em que discutirei algumas ideias não só que ele abrange nesse livro como também em sua coluna na FSP (Folha de São Paulo).

Assim sendo, quanto a livros, essas são minhas recomendações. Passemos agora à segunda coisa que vou recomendar, que são as entrevistas (cujos links colocarei no final) com dois filósofos brasileiros contemporâneos. Uma delas é com o filósofo Paulo Ghiraldelli Jr., no programa Provocações, apresentado pelo genial Abujamra, em que os dois discutem um pouco sobre o papel da Filosofia nas mudanças a serem feitas na educação brasileira. A outra, e essa é bem mais direcionada a meu público cristão, foi feita no programa Canal Livre com outro filósofo da educação, Mário Sérgio Cortella, mas sobre um tema que envolve religião e história. No caso, Cortella discorreu sobre a existência do Jesus Cristo Histórico de uma forma bem clara e didática. Para quem quer conhecer mais sobre essa face histórica do profeta do Cristianismo, essa entrevista é um pré-requisito fundamental.

Quanto a entrevistas, era isso. Porém, os vídeos não acabam por aí. Ainda no campo filosófico, mas partindo mais para o lado político, recomendo também dois vídeos do Paulo Ghiraldelli Jr., sendo um sobre Ideologia e o outro sobre Cotas Étnicas. Aliás, desculpem se eu parecer grosseiro, caros leitores, mas recomendo fortemente que assistam ao vídeo de Cotas, pois, pelo visto, pouca gente entende que as Cotas não vieram de forma nenhuma para resolver o problema da educação no Brasil. Mas, falarei melhor sobre as Cotas em um outro post. Por enquanto, recomendo apenas o vídeo do filósofo, pois o acho suficiente.

Para concluir o lado "filosófico" deste post, recomendo também, para quem quiser ser provocado a refletir constantemente, a coluna do Luiz Felipe Pondé na Folha de São Paulo, o blog do Paulo Ghiraldelli, a coluna do meu amigo Francisco Razzo no site/blog Fides et Ratio e um blog de alguns colegas meus do tempo da Duelos Retóricos chamado Vida Sofista, em que há posts sobre todo tipo de tema com os mais diversos autores.

E, para concluir o post, recomendo, para aqueles que odeiam o Natal (rsrsrsrsrs), uma música que descobri recentemente, que é a I Hate Christmas, do canal 5inco Minutos do Youtube.

Enfim, isso era tudo. Espero que aproveitem minhas dicas, meus amigos, e desejo para vocês um feliz natal!

Links com as Recomendações:
Entrevista com o Filósofo Paulo Ghiraldelli Jr. com Abujamra:
Parte 1 
Parte 2
Parte 3

Entrevista com Mário Sérgio Cortella (Existência do Jesus Histórico):
http://www.youtube.com/watch?v=3cH08lQDK68

Paulo Ghiraldelli Jr. sobre as Cotas Étnicas: http://www.youtube.com/watch?v=eWEr5WNu-I0
Paulo Ghiraldelli Jr. sobre Ideologia: http://www.youtube.com/watch?v=DvU5nN-wP0Q
(PS: Não se impressionem com as "capas" dos vídeos. Ghiraldelli é um provocador do início ao fim, rsrsrsrs)

Coluna do Luiz Felipe Pondé na Folha de São Paulo:
http://www1.folha.uol.com.br/colunas/luizfelipeponde/

Blog do Paulo Ghiraldelli Jr.: http://ghiraldelli.pro.br/
Coluna do Francisco Razzo no Fides et Ratio: http://www.franciscorazzo.com/author/franciscorazzo/
Blog Vida Sofista: http://www.vidasofista.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário