11 de jul de 2012

Um copo de Ditadura Militar? Não, obrigado, prefiro uma taça de DEMOCRACIA


 Bom, pessoal, o tema está claro e evidente. Falarei hoje sobre ela, ela quem, quem, quem, quem, ela, a Ditadura Militar de 1964. Neste texto, tratarei de trazer uma visão para refutar outra que vem sendo disseminada pela rede: a de que a Ditadura foi legítima e trouxe muito lucro. Enfim, boa leitura.

 Ditadura Militar? Não, obrigado, prefiro DEMOCRACIA

Em um país que conta meros 23 anos de regime democrático pleno*, não é muito surpreendente o fato de que há pessoas as quais desejam o retorno dos governantes da Ditadura Militar (1964-1985) ao poder. Pautando-se em argumentos como o vertiginoso aumento da criminalidade, a contínua impunidade dos praticantes de corrupção e a aparente queda do poder aquisitivo do cidadão comum no pós-regime, essas pessoas manifestam esse anseio em todos os locais da Internet, usando-se do democrático direito de Liberdade de Expressão.
Porém, nem sempre o não-surpreendente é aceitável, especialmente quando se trata da volta das intoleráveis censuras prévias, repressões violentas a qualquer tipo de protesto e práticas de tortura e espancamentos a oposicionistas, sendo todas essas eticamente inconcebíveis. Há ainda outro agravante: A maioria dos defensores da agora finada Ditadura pouco ou nada sabe em relação à história entre militares e poder.
Primeiro, deve-se frisar que, mesmo antes do fatídico ano de 1964, os militares já haviam chegado ao poder por meio de um coup d’etat (Golpe de Estado). Tal caso se deu em 1889, quando o notório Mal. Deodoro da Fonseca, após uma armação cretina do positivista e militar Benjamin Constan, executou um levante que terminaria por encerrar o governo de seu amigo, o monarca Dom Pedro II.
Desde a queda definitiva do Segundo Reinado (1840-1889) até o ano de 1898, o país experimentou a República da Espada, cujos resultados foram: o advento da Constituição de 1891, que poucos avanços tinha ante a Outorgada de 1824; a fracassada política econômica do Governo Deodoro, resultando assim na renúncia do então presidente; um ilegítimo e truculento governo de Floriano Peixoto, que desobedeceu à Constituição a qual ajudou a criar ao não realizar novas eleições presidenciais no tempo previsto; e uma bandeira cujo lema é mera inversão do lema positivista Progresso e Ordem, sobrepondo, no caso da Bandeira Nacional, a existência da “ordem” a qualquer direito democrático e inferindo que apenas assim seria feito o progresso, que, de fato, acabou ocorrendo bem timidamente, pelo menos na questão da tecnologia, que era o foco da visão positivista.
Além disso, faz-se essencial conhecer as circunstâncias em que se deu o Golpe de 1964. Aproveitando-se da ineficácia dos vários populistas que estiveram no poder, do suposto comunismo do então presidente João Goulart (Jango), da crise econômica que assolava o país e do apoio dos direitistas da União Democrática Nacional (UDN), dos membros da Igreja Católica que temiam a ascensão do comunismo ateu no país e das classes média e alta cujos interesses eram supostamente postos sob ameaça com Jango, os militares tomaram com pouca resistência o poder das mãos de Goulart. Detalhe: Além de muitos historiadores convergirem para uma versão populista e não comunista de Jango, a crise de que se usaram os militares teve início com a insensata política econômica liberal do militar Gal. Eurico Gaspar Dutra, ou seja, de um militar. Posso citar também o fato de que, em um país fortemente católico e ligado à tradição, propagar um comunismo ateu tão abertamente seria suicídio.
Em terceiro plano, é fundamental analisar o histórico do Regime e suas conseqüências para o Brasil. Além de ter início com um levante de legitimidade questionável, por ser baseado em puras especulações, a Ditadura utilizou-se de 12 Atos Institucionais (AIs) repressivos, de propaganda ufanista e de diversas obras faraônicas (Transamazônica, por instância) para manter a “ordem”, ganhar o apoio dos cidadãos comuns e demonstrar o crescimento do país.
Entretanto, tanto pseudocrescimento se esgotou com a Crise do Petróleo de 1973, revelando um Brasil economicamente instável e politicamente corrupto, escancarando o quanto sofria o Estado com o excessivo aparelhamento cuja utilidade-mor era garantir emprego aos parentes de militares de alta e até mesmo média patente.
Esse governo findar-se-ia em 1985, após as ínfimas tentativas de enfraquecer a oposição com leis como a Lei Falcão (1976, limitava a propaganda partidária oposicionista) e atentados como o ao Riocentro, sem contar também os diversos senadores e governadores biônicos e tantos outros fatos que tornam a Ditadura Militar uma página lastimável da história brasileira.
Concluindo, mostra-se claramente necessário que os que querem a volta do atraso militaresco e da censura em prol de um país melhor estudem mais sobre o tema, para que não caiam em falácias e sofismas embaraçosos. Ditadura Militar? Não, obrigado, prefiro Democracia.

*Considerando que apenas em 1989 houve eleição direta para presidente, sendo a eleição de Tancredo Neves em 1985, portanto, indireta.

4 comentários:

  1. Estudar este assunto é o que tenho feito nos últimos meses, engolido pela propaganda, sempre fui contra o regime militar, de meus estudos conclui que:
    o perigo do socialismo/comunismo foi real e escapamos por pouco, veja como anda a Colombia e Cuba;
    saímos da 48° para a 8° posição economica mundial;
    saúde, educação e segurança eram de excelente qualidade comparados com a atual;
    para empreender, trabalhar e cuidar da vida, era o paraíso;
    bandido pego era mostrado com a cara amassada, hoje da risada e diz que a vitima mereceu;
    transamazonica foi fundamental; hoje abandonada, assim como toda amazonia;
    Incra, Embrapa, Embraer, Itaipu e muitas outras foram obras que nos garantem hoje comida barata, banho quente, e muitos outros beneficios que os militares deixaram,
    censura? hoje embriagados na liberdade e perdidos na libertinagem, coisa de doido mesmo,
    país - vitimas
    Brasil - 350
    Chile - 3.000
    Argentina - 30.000
    De 85 para cá os desgovernos civis mostraram que:
    não tem a menor possibilidade de administrar esta monstruosidade de detalhes que em sua complexidade dão ou não qualidade de vida para nós (o povo),
    o civil é pobre de alma, para não dizer miserável, querem apenas encher o rabo de grana e o povo que se lixe,
    ah, deixa p lá, vou eu querer ensinar padre a rezar missa? você sabe a lista, se não quer ver não é problema de regime militar e sim compactuar com o que aí está.
    Aguardo apenas os movimentos sociais iniciarem para engrossar o caldo pedindo aos militares que voltem a nos governar, não existe regime perfeito, o paraíso está longe deste mundo, uma escolha deve ser feita, ficar em cima do muro esperando a democracia dar o ar de sua graça ja me encheu, quero ORDEM E PROGRESSO e acima de tudo REGRAS CLARAS, sem isso meu amigo... vamos virar um caos (apenas ironia, afinal ja estamos nadando na m**** ha decadas).
    Obrigado pela oportunidade
    Coragem meu irmão, a sua inebriante ilusória luta pela liberdade está matando como holocausto, precisamos ser fraternos e ver pala maioria, aquela que sabemos que vivia infinitamente melhor, sinto muito por pensar diferente...
    *nem foi preciso falar de direita ou esquerda, culpa deles e eles que se danem, foi isso que me ensinaram.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, vou responder a algumas coisas que você colocou, mas, antes de tudo, pergunta: quem é você?

      Enfim,

      "o perigo do socialismo/comunismo foi real e escapamos por pouco, veja como anda a Colombia e Cuba;"

      Isso aqui eu acho muito controverso. Você falar que ocorria o perigo de o país sair banhado em sangue com os confrontos entre guerrilhas de esquerda e a direita não só vai como é provável. Agora, o problema é que, para implantar o comunismo, Jango, que era quem acusavam de querer isso, teria de abandonar o Getulismo, traço seu que o fazia resistir ao comunismo e que o fez muito conhecido na política. Não creio, então, pelo menos por INTERVENÇÃO de Goulart, que o Brasil fosse virar comunista.

      "saímos da 48° para a 8° posição economica mundial;"

      Na verdade, foi da 49º. Agora, concorda comigo que fazer as coisas com o dinheiro dos outros é muito fácil? Pois é, não nos tornamos essa economia de graça. Se não fosse o subsídio americano, pois o Brasil não tinha dinheiro em caixa para uma mega-expansão dessas, talvez estivéssemos hoje em 20º no máximo. O detalhe é que foi dinheiro AMERICANO e dinheiro que aumentou a dívida externa, o que, curiosamente, acabou sendo um dos motivos para o fim do regime.

      "saúde, educação e segurança eram de excelente qualidade comparados com a atual; "

      Não sei quanto a saúde e segurança, mas é muito fácil falar que a educação era melhor sem entender o contexto. Primeiro de tudo, o princípio de educação para todos é democrático e neoliberal. Como os militares não eram declaradamente neoliberais nem democratas, decidiram por manter a educação para poucos. Assim, fica muito fácil deixar uma educação com números bons.

      "para empreender, trabalhar e cuidar da vida, era o paraíso;"

      Por outro lado, era um inferno para surdos, deficientes físicos, homossexuais e muitos outros que também queriam trabalhar, mas eram massacrados pelos moldes ultraconservadores da sociedade do regime. Além disso, não sei de quais empreendedores você fala, pois, do que eu saiba, quem era pobre continuava pobre e tinha poucas condições para empreender.

      "bandido pego era mostrado com a cara amassada, hoje da risada e diz que a vitima mereceu;"

      Primeiro que bandido é bandido em qualquer época e em qualquer lugar. O fato de você não saber que algo acontece não significa que isso não aconteça de fato. Sabia que foi durante o regime militar, nas décadas de 70 e 80, que teve início o tráfico de drogas como conhecemos hoje nas favelas? Sabe o que aconteceu? Pois é, os bandidos fugiam para lá e, como os militares estavam pouco se lixando para as favelas, foram sendo criados poderes paralelos lá. Mas, infelizmente, isso o Olavo de Carvalho não te conta.

      "Incra, Embrapa, Embraer, Itaipu e muitas outras foram obras que nos garantem hoje comida barata, banho quente, e muitos outros beneficios que os militares deixaram, "

      Primeiro, Itaipu foi uma parceria entre Brasil e Paraguai. Segundo, novamente, com o dinheiro dos outros é fácil fazer esse tipo de coisa.

      Quanto ao Incra, além de a ideia não ter sido originada durante o regime (link: http://www.incra.gov.br/index.php/institucionall/historico-do-incra ), só a existência do MST já põe uma dúvida quanto à competência dessa instituição. Agora, não sei no que o Incra contribuiu com benefícios atuais. Mas, enfim, né...

      "censura? hoje embriagados na liberdade e perdidos na libertinagem, coisa de doido mesmo,"

      Meu amigo, repito: você não saber que uma coisa existe não significa que ela não exista de fato. Libertinagem sempre ouve. O problema é que, após tanto tempo de repressão NÃO SÓ DOS MILITARES (justiça seja feita), quando o povo viu a liberdade, não quis nem saber e fez em público o que antes fazia no privado ou em seu gueto.

      Excluir
    2. "país - vitimas
      Brasil - 350
      Chile - 3.000
      Argentina - 30.000"

      Bom, isso aqui eu acho que era para ser uma comparação com os regimes comunistas, mas, enfim, sou apolítico, então essa comparação não me afeta, especialmente porque, enquanto não me mostrarem fontes que apontam que o João Goulart disse, com todas as letras, que queria transformar isso aqui em uma utopia comunista, eu vou ficar cético quanto ao perigo do Comunismo em terras brasileiras.

      "não tem a menor possibilidade de administrar esta monstruosidade de detalhes que em sua complexidade dão ou não qualidade de vida para nós (o povo)"

      É, né, porque DEMOCRATIZAR as coisas é difícil. Como eu disse, é lindo e faz todo sentido elogiar os militares porque a educação em sua época era melhor se você não sabe que ela não era para todos. É lindo e faz todo sentido reclamar da violência de hoje e culpar a democracia por isso quando não se sabe que foram os militares quem, de fato, acabaram gerando isso. É muito fácil reclamar da confusão entre liberdade e libertinagem com um povo que mal teve tempo de se acostumar ao regime democrático. T

      udo isso é lindo para quem é acomodado e não quer, de forma nenhuma, intervir por si próprio no país. Como eu disse em outro texto, democracia não é só reclamar do político A,B ou C, mas sim cobrá-lo, o que é um direito e um dever do cidadão. Só que democracia também não é envolver os militares, que nem sabemos se querem se envolver de novo, para achar uma solução fácil e que não virá para os problemas do Brasil.

      "o civil é pobre de alma, para não dizer miserável, querem apenas encher o rabo de grana e o povo que se lixe,"

      Curioso você falar em alma... nossos civis são, em sua maioria, extremamente religiosos. Ora, será que as religiões fracassaram a ponto de deixar com que a "democracia" (como se esta fosse culpada de algo) poluir a mente de seus fiéis?

      Além disso, você mesmo disse que não há governo perfeito. O que o faz pensar então que na época dos militares não houve corruptos QUE NÃO PODIAM SER DENUNCIADOS?

      "ficar em cima do muro esperando a democracia dar o ar de sua graça ja me encheu,"

      A sua frase é autorrefutável, pois esse não deve ser um espírito democrata. Se você ficar em cima do muro, nada acontece mesmo. Não existe truque nisso.

      "quero ORDEM E PROGRESSO"

      Sabe pelo menos de onde vem isso? Sabe qual é o sentido que cada palavra assume nesse lema?

      "e acima de tudo REGRAS CLARAS, sem isso meu amigo... vamos virar um caos (apenas ironia, afinal ja estamos nadando na m**** ha decadas)."

      E quem disse que não temos regras claras? O fato, por exemplo, de nossos políticos não significa inexistência de regras claras, só significa que nós não cobramos sua aplicação. O que você quer é o jeito fácil: calar minorias, deixar a imprensa de mãos atadas e fazer deste país uma utopia ultraconservadora.

      " a sua inebriante ilusória luta pela liberdade está matando como holocausto, precisamos ser fraternos e ver pala maioria, aquela que sabemos que vivia infinitamente melhor, sinto muito por pensar diferente..."

      A maioria não vivia infinitamente melhor. Você viveu naquela época para saber se A MAIORIA vivia infinitamente melhor? Como é que a maioria vai viver infinitamente menor se o seu salário valia menos a cada hora com os crescentes índices de inflação? Aliás, segundo sua lógica, quer dizer que quem passou fome durante o Regime também era vagabundo e merecia ir para a cadeia?

      Por fim, lembre-se: o regime, ao cercear vários direitos, facilitou seu controle sobre 90 milhões de brasileiros, fazendo com que eles seguissem suas vidas sem perceber os roubos que os líderes faziam. Este e outros governos tiveram que tentar desfazer as cagadas do regime (especialmente em educação e economia)enquanto pensavam como satisfazer as necessidades de 180 milhões de brasileiros.

      Peço, então, que reconsidere suas posições.

      Excluir
  2. *políticos de esquerda ou de direita*

    ResponderExcluir