11 de mar de 2012

O atual 'ópio' do povo

Bom, caros leitores, não achei título mais explicativo para o tema deste post. Aqui, debaterei sobre qual(is) é(são) o(s) atual(is) ópio(s) do povo brasileiro. Muitos dizem que os ópios nossos são futebol e carnaval. Eu discordo. Mas, se alguém concordar com a visão supracitada e/ou discordar de minha visão, debatamos democraticamente. Afinal, este texto, com certeza, não esgota o tema. Enfim, ótima leitura a todos.


Falácias Vitalícias

A sociedade brasileira das últimas décadas vem sofrendo várias mudanças. Um povo antes racista, religiosamente intolerante e homofóbico começa a perceber o quão benéficas são as misturas étnico-ideológicas. Ainda assim, tal desenvolvimento está aquém das capacidades nacionais, e faz emergir questões-chave: Por que o Brasil não consegue alcançar maiores evoluções? Qual será o atual ópio do povo brasileiro?
A resposta para tais questões faz-se bem mais óbvia do que aparenta. O ópio da nação é representado por falácias vitalícias. Graças a pregações argumentacionalmente tênues (entretanto, amplamente disseminadas), os cidadãos da pátria ‘tupiniquim’ continuam a pecar por inércia e omissão.
Uma dessas pregações é a do pacifismo sem limites. Órgãos de mentalidade regressista como igrejas e ONGs pregam o pacifismo a qualquer custo. Segundo eles, o brasileiro não deve se rebelar quando o país estiver em situação calamitosa. Ao invés disso, tais organismos parasitários incentivam a alienação sociopolítica e o conformismo.
Outra pregação é a de proteção da vida de modo geral, amplo e sem exceções. Tal propaganda pró-vida ilude brasileiros e brasileiras, levando-os a pensar, por exemplo, que uma mera descriminalização do Aborto é garantia de atentados contra a vida humana.
No entanto, não desejo o barbarismo. Ainda assim, faz-se fundamental lembrar que, em um país de poucas oportunidades como é o Brasil, as demagogias pró-‘vida’ e pró-alienação, por instância, não devem interferir com as liberdades asseguradas pela Constituição como interferem.
O grande problema com a desconstrução dessas falácias opiosas e asquerosas reside no cego vínculo popular com religiões e ONGs assistencialistas. O brasileiro deve primeiro compreender que a própria moral não é igual a aquela pertencente aos outros, e menos semelhantes ainda são as opções políticas e religiosas. Um cidadão cristão, por exemplo, não pode retirar a liberdade de mulheres teístas e ateístas de decidirem o destino de um feto que eventualmente carregarem, assim como um médico não pode negar atendimento a um paciente com viés político diferente daquele seguido pelo médico.
Mesmo assim, informar e educar somente não bastará. Faz-se essencial também a desarticulação dos grupos nefastos que pregam inércia diante da corrupção e proteção irrestrita da vida perante um cenário de forme, miséria e caos. Tal desarticulação, todavia, não deve ocorrer por meio de repressão e censura. É necessário um novo movimento realista nos meios midiáticos e literários o qual seja capaz de desafiar e vencer democraticamente todas as falácias vitalícias, acabando assim com o ópio do povo e liberando a nação brasileira das amarras de estagnação.

8 comentários:

  1. você é um tremendo de um idiota!

    ResponderExcluir
  2. E você é outro pior, que nem a cara para bater dá.

    ResponderExcluir
  3. Aqui poderia ter a opção de curtir aushuashuahushuashuahashs toma Anônimo, da próxima vez apresenta um argumento se você não concorda, mas antes deixe de ser alienado e até antes disso, crie uma opinião, crie pensamentos que não sejam influenciados pelo que você vê pela tv ( globo ) de preferência

    ResponderExcluir
  4. "Uma dessas pregações é a do pacifismo sem limites. Órgãos de mentalidade regressista como igrejas e ONGs pregam o pacifismo a qualquer custo. Segundo eles, o brasileiro não deve se rebelar quando o país estiver em situação calamitosa. Ao invés disso, tais organismos parasitários incentivam a alienação sociopolítica e o conformismo".
    Estava pensando sobre esse assunto hoje mesmo, e quando me perguntei qual era o problema, a primeira coisa que veio em minha cabeça foi a palavra "conformismo". Sou de acordo com os argumentos colocados em seu texto, que por acaso, foi muito bem feito.

    ResponderExcluir
  5. Pois é, Letícia. E enquanto isso, um anônimo vem e chama de "tremendo idiota" quem protesta contra essa realidade alarmante.O Brasil só pode estar de brincadeira com o meu semblante

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pelos argumentos defendidos no seu texto, muito bem estruturado por sinal! E por falar em "conformismo" ou "falácias vitalícias" é realmente assombroso que o Brasil convive com essa antiga mazela na sociedade, e é o que eu digo: o Brasil já "nasceu" errado onde me dá a impressão de que o nosso país desde o princípio foi "projetado" para ser manipulado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinceramente, eu concordo contigo, Cláudio. Não é possível ver tanta besteira e tanta shit ocorrendo impunemente. Pois é, este país foi projetado para ser manipulado, sem dúvida

      Excluir