21 de fev de 2012

Brasil e Corrupção: Uma história de (des)amor

O tema de hoje, caros leitores, é sem dúvida bem propício para qualquer momento da história desta nação. Hoje discorrerei sobre a corrupção e suas consequências para a sociedade brasileira. Enfim, aprazível leitura a todos.


 “Na virada do século, corrupção voraz...”

     Desde os primórdios da colonização do Brasil (que só ocorreu por volta do ano de 1530), os nativos sofrem com casos de corrupção e jogos de interesse por parte de governantes, sejam eles deputados, senadores, presidentes ou até mesmo monarcas
     Dois exemplos clássicos (e crassos) ocorreram durante o período Joanino (1808-1822) e no primeiro mandato do presidente Rodrigues Alves (1902-1906). Ambos precisaram modernizar a cidade do Rio de Janeiro. Precisaram. O pensamento prioritário dos dois pouco tangeu o bem do povo. No caso de D. João VI, atendeu-se a demanda de uma corte portuguesa sedenta por luxo. Já Rodrigues seguiu a tendência européia denominada “Belle Époque”, querendo fazer da então capital brasileira a nova Paris. Obviamente, conseguiu-se certo nível de melhora; porém as consequências de tal irresponsabilidade manifestam-se nas piores marcas da capital carioca, atualmente denominadas “favelas”.
     Uma das consequências mais aparentes desse regime endêmico de corrupção no Brasil, a banalização do valor da política, evidencia-se com o descaso da maioria dos eleitores no momento de eleger quem os representará durante quatro anos nas esferas municipal, estadual e federal. Muitos dos votantes, cansados de observar tantos casos absurdos de corrupção enquanto veem a péssima condição dos serviços pagos com o dinheiro de impostos dos contribuintes, resolvem votar em candidatos cuja competência acadêmica e/ou administrativa é passível de questionamentos.
     Outra grave consequência reside na qualidade dos serviços públicos. O dinheiro de taxas que deveria servir de verba a pilares fundamentais de qualquer nação, como educação, saúde, segurança e transportes, quase sempre desemboca nas contas bancárias de corruptos e asseclas, os quais tentam de qualquer forma manter-se no poder quando em época eleitoral.
     Que a corrupção é uma realidade há muito tempo em terras brasileiras, todos sabem. A verdadeira problemática encontra-se no fato de que as consequências da mesma são terríveis tanto para a máquina federal quanto para o povo. Erradicar a corrupção secular a qual assola a nação faz-se impossível. Já a minimização de suas consequências, com ‘impeachments’ e indenizações aos cofres públicos por parte dos corruptos é totalmente executável e plausível

2 comentários:

  1. Parabens pelo texto mano! curti

    ResponderExcluir
  2. Vlw, Paulo. Espero que este texto gere um bom debate. Afinal, o tema não poderia ser mais atual e mais contextualizado.

    ResponderExcluir