21 de dez de 2011

Retrospectiva 2011 Parte 3

Bom, pessoal, está é a terceira parte da retrospectiva. Acredito que todos vocês esperam por aquele texto bem longo e provavelmente muito chato.
Porém, desta vez é diferente. Ocorreu que, ao contrário de todos os outros posts deste blog, este aqui não havia sido preparado de antemão. Fiquei por dias tentando achar uma forma de colocar o sentimentalismo da terceira parte desta retrospectiva (a parte intimista), e percebi que não conseguiria colocá-lo em um texto normal. Aventurei-me então a fazer poesia para tentar passar o mínimo do meu muito obrigado a todos, tanto na vida real quanto online, que a mim foram fiéis amigos e leitores de todas as horas. Desde aqueles com quem já perdi o contato "olho no olho", como a aspirante a veterinária Laís Rigon, os futuros engenheiros Cássio Sversut, Caio Boneto, Mateus Bolinha e Patrick Brito e todos os outros do Salesiano, a aqueles com quem tive o privilégio de estudar nos últimos 7 ou 8 meses do ano, como os vestibulandos de Medicina Matheus Casquer (a quem desejo uma boa recuperação. Força, Casquer!) e Nicole Pires (também leitora deste blog) e os geniais Lucas Henrique, Mariana Figueiredo, Felippe Tadeu, Claudia Cardoso, Cindel dos Santos e tantos outros, só posso agradecer por todo o aprendizado que tive e por toda a lealdade e amizade que tiveram para comigo*
Bom, enfim, aqui vai a poesia. Aviso a todos que:
A- Não sou poeta. Realmente, não sou. Por isso, adaptei a poesia Se eu Morresse Amanhã, do romântico Álvares de Azevedo, para tentar exprimir um pouco do sentimento
B- Qualquer crítica é só comentar. Sério, se estiver muito ruim, acreditem, virá coisa pior, pois já tenho postagens prontas com o meu estilo de poesia
C- Obviamente, não consegui respeitar todas as rimas do poeta. Mudei um pouquinho o estilo para melhor adaptá-lo à situação. Afinal, Álvares foi pessimista, e eu não serei.
Enfim, aqui vai. O título da adaptação é Se o ano acabasse amanhã

Se o ano acabasse amanhã

Se o ano acabasse amanhã, conversaria com os manos
Sobre os tempos de Salesiano;
Onde estudei por quase três anos
E que nunca deixou meus pensamentos

Quantas alegrias tive no Universitário!
Desses tempos também estaria relembrando
Foram oito meses memoráveis
Quando aprendi bem mais que filosofias vãs

Quantos amigos e companheiros
Eu teria de deixar mais cedo
De católicos e espíritas a quem não segue um credo
Como estes dias passaram ligeiros!

Mas esta dor de despedida que me devora
Traz consigo uma ironia
De nenhuma ruim memória eu lembraria
Se o ano acabasse amanhã!

Bom, é isso. Muito obrigado a todos que tiveram a bondade de ler e ser seguidor deste blog ao longo de 2011. E, sem presunção por minha parte, mas, continuem seguindo. Afinal, 2012 promete.

*Coloquei Lealdade pois, para quem me conhece melhor, são notórios meu gosto e minha preferência por valores como lealdade, honra e justiça em relação a humildade e tantos outros valores morais religiosos




4 comentários:

  1. Bem,me emocionei bastante com esse post,me fez recordar várias lembranças...eu gostei também da poesia,até me emocionou :)
    By:Marcelo

    ResponderExcluir
  2. Agora siim!memorável,terceirão vai deixar saudades ♥

    ResponderExcluir
  3. Álvares de Azevedo é tudo de bom! Adoro seu jeito de deixar a alma no papel, transparente para quem lê!
    Curti o poema, em especial a última estrofe, ficou muito boa!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Bom, para quem curtiu o poema, aproveite-o muito bem. Acreditem, vocês não vão gostar das outras poesias que mostrarei (duas ou três só, -literalmente- mas já suficientes para assustá-los)

    ResponderExcluir