11 de set de 2011

Pra não dizer que não falei de Individualismo

Bom, pessoal, finalmente posso voltar a postar com maior regularidade e até mesmo estabilidade (já que minha Internet voltou). Para aqueles que acharam que eu postaria sobre o atentado terrorista de 11 se Setembro, se enganaram. Esta postagem foi produzida há uns dois meses, e eu nem me lembrava do atentado. Enfim, sem mais delongas, boa leitura.
O tema, provindo da Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), é "Individualismo e Compromisso Coletivo"

O Inconsciente Demagógico

Uma das características da espécie humana é a capacidade de adaptação, seja a novos ambientes, sociedades ou até mesmo situações. Porém, usando-se de suposta racionalidade, o mesmo ser tenta também adaptar o ambiente ou a sociedade na qual está vivendo de acordo com seus próprios interesses. O principal método para tal alteração é o constitucional, com mudanças em leis e no sistema político-econômico vigente.
O sistema o qual é usado nos dias atuais é o Capitalismo. Esse mesmo Capitalismo prega a busca ampla, geral e irrestrita do maior lucro possível, pouco importando os meios para tal (logo, irrestrita).
Ora, meus caros, reflitamos: Como cobrar compromisso coletivo em uma sociedade na qual, para adaptação e subsequente sobrevivência, deve-se estar atento a quaisquer tentativas de exploração? Como “forçar” os indivíduos a serem solidários (ou mesmo caridosos) quando lidamos com instituições cujos custos são a integridade e a honestidade humanas?
Todos aqueles que desejam compromisso coletivo de toda a sociedade sem uma mudança estrutural no sistema político-econômico vigente  fazem parte do inconsciente (coletivo) demagógico. Esses sofistas são, em sua maioria, pseudo-humanistas os quais pouco fazem visando à coletividade (e muito fazem almejando fama ou prestígio), estando entre eles os ecocapitalistas e alguns religiosos.
Enfim, em uma sociedade capitalista, verdadeiro compromisso faz-se dificílimo. Adicionalmente, a condenação do individualismo torna-se hipocrisia, já que o sistema força os indivíduos a tais circunstâncias e, honestamente, pedir ao cidadão que desafie o sistema político vigente é pensamento muito utópico.

4 comentários:

  1. Concordo; porém, ainda assim, estas questões, devidamente ponderadas, levantam dúvidas sobre se o desenvolvimento contínuo de distintas formas de atuação prepara-nos para enfrentar situações atípicas decorrentes das direções preferenciais no sentido do progresso.

    ResponderExcluir
  2. Beleza, Cássio. Muito bom o seu comentário nada a ver.auhsuahuahsuahs

    ResponderExcluir
  3. Só nao entendi uma coisa , cade o Bin Laden nessa historia !!! Sem ele fica sem graça :(

    ResponderExcluir
  4. Foda-se o Bin Laden. Que se enterre a memória de tal fascínora

    ResponderExcluir